quinta-feira, 31 de maio de 2018

Livro e série: O Conto da Aia

SINOPSE: Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, o a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

{PhotoAlt}

O livro é narrado por Offred a partir dos acontecimentos da sua memória. Por esse motivo, a história acaba sendo confusa de início, mas segue as agregações que a personagem faz dos acontecimentos, principalmente os mais marcantes. Nisso, temos a ocorrência da cerimônia, quando há o estupro da Aia pelo comandante, já no primeiro episódio, enquanto no livro isso demora um pouco para aparecer. A intenção é mostrar primeiramente o funcionamento dessa sociedade, baseada numa rotina extremista. Por isso, o início do livro pode aparentar ser um pouco lento, já que se baseia principalmente na rotina da personagem.
Um ponto negativo do livro é que algumas cenas não são bem exploradas, o que acabou me deixando um pouco confusa lendo a história, mas como já havia visto a série, isso me fez entender melhor o livro que é um pouco complexo. A série, que teve sua estreia em Abril de 2017, é muito fiel ao livro, as cenas são idênticas. Então para você que quer começar a ler o livro, sugiro que acompanhe junto com a série, pois a série é um complemento para o livro, trazendo uma ótima explicação para o que acontece na história.
A adaptação ganhou notabilidade com o Trump na presidência. Afinal, é uma história sobre um governo extremista, totalitário e teocrático cristão, onde cada pessoa é classificada em uma hierarquia social e designado apenas para cumprir uma função, com as mulheres sendo tratadas como posse.
O destaque da série é a sororidade que a história traz, as mulheres passam a ter empatia e solidariedade umas com as outras, trazendo uma reflexão de que a desconstrução de um regime opressor como o patriarcado só pode ser trilhada por meio da empatia entre mulheres.
Tanto o livro como o filme são impecáveis e merecem reconhecimento. Quem viu a série e leu o livro, me contem nos comentários o que acharam.
Vocês sabiam que o site Cupom Válido reúne promoções e cupons para compras online? É muito fácil de utilizar: você acessa o site, procura a loja que quer realizar uma compra, por exemplo Saraiva ou Amazon e clica no cupom desejado. Após clicar irá abrir um tela com o código, copie o código e clique em “ir para a loja" e é só colar o código na tela de pagamento da loja desejada, qualquer dúvida o site também disponibiliza uma explicação passo a passo de como utilizar o cupom. E o melhor: o site é totalmente seguro, gratuito e não precisa fazer nenhum cadastro para utilizar. E aí, gostaram da dica?


Um beijo,
Jhen.

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Walden, de H. D. Thoreau

SINOPSE: Em julho de 1845, desgostoso com o crescente comercialismo e industrialismo da sociedade americana, Henry David Thoreau (1817 - 1862) deixou Concord, Massachusetts, sua cidade natal, para instalar-se à beira do Lago Walden. Publicado primeiramente em 1854 com o título Walden ou A vida nos bosques, este é o relato de dois anos, dois meses e dois dias em que o autor viveu apartado da sociedade dos homens, suprindo as próprias necessidades, estudando, contemplando a natureza e conhecendo-se a si mesmo. A maneira do Homo americanus de ver o mundo à sua volta e a si próprio nunca mais seria a mesma. No testamento ético-espiritual que é Walden ("O universo é maior do que as visões que temos dele.") beberiam todos os grandes nomes das letras e da cultura norte-americana, desde o transcendentalista Ralph Waldo Emerson aos autores beat e da contracultura do século XX, além de figuras revolucionárias como Gandhi e Martin Luther King.

{PhotoAlt}

Em 1845, Thoreau largou o cotidiano urbano movido pelo intenso industrialismo e foi viver sozinho na floresta. O lugar escolhido foi o lago Walden, localizado em Concord, Massachusetts.
Ali, Thoreau construiu sua cabana, plantou sua horta e viveu por dois anos. Com uma vida simples, sem exageros e sem desperdícios, ele se dedicou profundamente ao estudo, contemplação e autoconhecimento. Teve a oportunidade de ter contato direto com a natureza, teve uma visão ampla de tudo e de todos que por ali passaram.
O autor aborda temas como economia, literatura, poesia, natureza, fauna e flora.

"Acho saudável ficar sozinho a maior parte do tempo. Ter companhia, mesmo a melhor delas, logo cansa e desgasta. Gosto de ficar só. Nunca encontrei melhor companhia do que a que a solidão me proporciona. Em geral estamos mais solitários quando saímos e convivemos com os homens do que quando ficamos em nossos aposentos."

Esse livro me foi indicado por anonimato. Há muito tempo havia comprado, mas só agora tive tempo de ler.
Ao pesquisar sobre o livro, vi que ele é objeto de estudos para planejamentos ambientais, não é a toa que é um clássico americano.
O livro é extenso e muitas vezes cansativo, levando em conta a data de escrita. Mas a impressão que se tem quando o lê, é de estar em uma conversa com o próprio autor onde ele narra sua experiência, propondo uma visão crítica do mundo.
Como disse Robert Louis Stevenson: “Thoreau se apresentava tão distante da humanidade que é difícil saber se devemos chama-lo de semideus ou de semi-homem”.
É um livro que tem uma experiência única de leitura.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

VÍDEO: Livros que li para a faculdade de Letras: #2 A MORTE DE IVAN ILITCH

Segundo vídeo da série de vídeos dos livros que li para a faculdade de Letras. Espero que gostem!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Antes de Tudo Acabar, de Mary C. Müller

SINOPSE: Rafael nunca foi de se encaixar em padrões. Deslocado e sem muita perspectiva de vida, ele cuida da mãe alcoólatra enquanto precisa lidar com a paixão platônica pela melhor amiga, Anne, e com os percalços causados por um pai ausente. Acostumado desde sempre a fazer tudo com Anne, ele agora tem de aceitar que ela arrumou um namorado... e justo uma das últimas pessoas que ele gostaria de ver com a amiga. Como se não bastasse, ele também precisa se entender com o pai, que resolveu voltar a procurá-lo com uma surpresa: a filha que teve com a amante. E, em meio a esse turbilhão de acontecimentos, chega Kaori, a nova aluna da turma. Com ela, as coisas começam a mudar na vida de Rafael, e o que era só amizade pode acabar se tornando algo mais. Antes de tudo acabar é a história de um garoto que precisa se encontrar e compreender um mundo que se move mais rápido do que ele consegue acompanhar. Um mundo onde amizades são construídas e desfeitas, amores morrem e nascem e caminhos sofrem desvios inesperados.

{PhotoAlt}

Antes de Tudo Acabar conta a história de Rafael, um adolescente que possuí apenas dois amigos: Anne, sua melhor amiga, e Ferreira, que também se chama Rafael.
Sua vida é uma montanha de problemas, uma mãe alcoólatra, um pai que o abandonou, o bullying na escola.
Antes de Tudo Acabar, não é só um romance adolescente. É sobre história de superação, amadurecimento e escolhas na visão de um adolescente que enfrenta vários problemas. Problemas na família, com os amigos e na vida amorosa.

Esse livro me fez sair da zona de conforto que eu estava. Acostumada com livros de suspense e thriller, foi uma história que gostei muito e li rapidamente!

segunda-feira, 18 de dezembro de 2017

VÍDEO: Livros que li para a faculdade de Letras: #1 ÉDIPO REI

Olá pessoa, tudo bem? Comecei um novo formato de vídeos com uma nova série: Livros que li para a faculdade de Letras. Espero que gostem!

Back to Top