quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Notas: Édipo Rei, de Sófocles

{PhotoAlt}

Olá pessoal! Antes do resumão sobre o livro de Sófocles, quero esclarecer algumas coisinhas...
Primeiramente queria dizer que recebi uma lista de livros para ler na faculdade, e que vou deixar um pouco de lado os livros que estou lendo por conta da correria que está sendo essa maratona. Primeiro por causa da demora em que os livros têm chegado, e segundo porque tenho datas para terminar de ler os livros.
Segundo que também irei dar mais atenção à livros de editoras. Não vou abandonar meus livros, só que irei demorar um pouco mais para lê-los.

Édipo Rei foi uma das obras que tive que ler para a faculdade.

Édipo Rei é uma tragédia clássica, e considerada a maior tragédia do teatro grego.
A lenda conta que o rei Laio, esposo de Jocasta, após consultar os oráculos lhe é revelado que seu filho Édipo o matará, e se casará com a rainha.
Para evitar o acontecimento, Laio ordena à seu servo que abandone a criança no alto da montanha com os pés amarrados. Mas, sem coragem, o servo decide entregar a criança à Polípio e Mérope, para que cuidem dela.
Passam-se anos até Édipo também consultar os oráculos e também descobrir o destino fatídico que lhe foi dado. Sem saber que Polípio e Mérope não são seus pais biológicos, Édipo decide sair de sua cidade, pensando que assim evitaria a profecia.
Na fuga, ele é atacado pela tropa do rei Laio, e acaba matando o rei em legítima defesa.
Édipo chega à Tebas, e acaba se casando com Jocasta, desconhecendo sua história. Indo de encontro ao seu destino, matando seu pai e casando-se com sua mãe.
Veio daí a psicanalítica expressão difundida por Freud como "Complexo de édipo".

Mas e o livro?

O livro começa um pouco diferente da história.
A história começa com o atual rei, o Édipo, precisando tirar o reino de uma crise. Mas Apolo, diz só ser possível retirar o reino da crise quando o assassino de Laio for punido. Édipo pede ajuda do povo, mas o povo não sabe quem é o assassino do antigo rei. O que obriga Édipo a pedir ajuda de oráculos. Que acaba revelando que o próprio assassino é o rei Édipo, cuja mãe também torna-se sua esposa.
Jocasta afirma que o filho que teve com Laio, foi abandonado, e provavelmente morto.
Édipo se sente confuso quando foi mencionado que o filho de Laio teve os pés furados e se lembra do significado de seu nome, pés furados. Mas ainda assim, a história não faz sentido. Até uma testemunha do assassinato se pronunciar.
Édipo então se lembra do dia em que visitara o oráculo, e do desfecho da história que vocês leram logo acima.
Mas ainda sim a história não fazia sentido. Até um pastor aparecer e afirmar que Políbio não podia ter filhos.

Comprovada a história, Édipo e Jocasta entram em desespero. Jocasta suicida-se e Édipo fura seus próprios olhos prometendo exilar-se de Tebas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 

NO INSTAGRAM: @RUNFFE


Layout e design: Céu em Versos
CÉU EM VERSOS 2013 - 2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS