sexta-feira, 4 de março de 2016

Pulp, de Charles Bukowski

SINOPSE: Eis um Bukowski puro-sangue. Legítimo. Concluí­do alguns meses antes de sua morte, em março de 1994, aos 73 anos.
Não há como sair incólume desta história. A saga de Nick Belane poderia até ser igual a de tantos outros detetives de se­gunda categoria que perambulam pelas largas ruas de Los Angeles. Mas aqui, mulheres inacreditáveis cruzam pernas compridas e falam aos sussurros, principalmente uma que atende pelo nome de Dona Morte. Como nos velhos livros policiais de papel vagabundo, subliteratura pura, a quem Charles Bukowski dedica solenemente Pulp.
Ele desafia sua história com habilidade de mestre. Um Rabelais percorrendo o mundo noir? A divina sujeira? A maravilhosa sordidez? Um acerto de contas com a arte? Uma homenagem? Uma reflexão sobre o fim da vida? E tomara que a morte estivesse linda, gostosa e sexy – como está nesta história – quando encontrou o velho Buk poucos meses depois de ter posto o ponto final nesta pequena obra-prima.

{PhotoAlt}

Pulp é o último livro de Charles Bukowski e conta a história de Nick Belane, um detetive que vive no submundo de Los Angeles e que não faz nada para dar glamour a sua profissão. Não usa aparelhos de escutas ou disfarces, mesmo assim sua vida é uma cheia de acontecimentos estranhos: ele conversa com a morte e com alienígenas.
Um nelo dia, Belane está em seu escritório detonado quando uma mulher maravilhosa aparece. Ela afirma ser a Morte e determina um trabalho: procurar Céline, escritor que já teria falecido, mas que aparentemente ainda está perambulando por aí. Enquanto investiga Céline, outros casos surgem, até conspirações alienígenas.

{PhotoAlt}

Não só por ser o último livro do Buk, mas pela relação entre os personagens, como a dona morte; parece uma representação do que Bukowski estava passando com sua doença, uma relação com sua morte.
Assim como outros livros de Charles Bukowski, a história é irônica e contém um pouco de acidez.

Um comentário:

  1. Oi
    já escutei falar desse autor, mais ainda não li nada dele. esse livro parece ser até interessante, e com mistério.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

 

NO INSTAGRAM: @RUNFFE


Layout e design: Céu em Versos
CÉU EM VERSOS 2013 - 2017 @ TODOS OS DIREITOS RESERVADOS